sexta-feira, 17 de junho de 2016

Unidos Pra Lutar realiza plenária estadual em São Paulo

quarta-feira, 18 de maio de 2016

Servidores de São Sebastião fazem manifestação por reposição salarial

Cerca de 200 trabalhadores participaram do ato e decidiram em assembleia paralisação de um dia na próxima terça-feira (24)
Os servidores públicos municipais de São Sebastião realizaram uma manifestação nesta terça-feira (17) para reivindicar reposição salarial da categoria e melhores condições de trabalho. O ato teve início às 16h com a ocupação do pátio interno do Paço Municipal para exigir do prefeito Ernane Primazzi (PSC) os direitos constitucionais. Sem resposta, cerca de 200 trabalhadores seguiram em passeata pelas principais ruas do Centro da cidade até a Câmara Municipal, onde cobraram um posicionamento efetivo dos vereadores.
Segundo o Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de São Sebastião (Sindserv), a administração municipal acumula débitos com a categoria desde 2014, somando 22,71% de perda salarial nos últimos três anos. Dentro da campanha salarial 2015/2016, os trabalhadores cobram repasse da inflação do ano passado mais as correções (11,52%) e reposição de 11,19% referente ao ano de 2016. Também foi aprovado o reajuste do vale alimentação de R$ 240 para R$ 300, bem como o vale refeição de R$ 16 (por dia) para R$ 25 (por dia).
Durante a mobilização dos servidores na sessão da Câmara, foi apresentado o requerimento 204/2016 do vereador Professor Gleivison Gaspar (PMDB) em apoio à categoria: “Diante das negativas sistemáticas, requer ao executivo a reavaliação do orçamento municipal visando à efetivação do reajuste aos servidores públicos”.
O requerimento foi aprovado por unanimidade e ainda contou com posicionamento favorável do presidente da Casa, Luiz Antônio de Santana Barroso “Coringa” (PSD), e dos demais vereadores Reinaldo Alves Moreira Filho “Reinaldinho” (PSDB), Jair Pires (PRP), Edivaldo Pereira Campos “Teimoso” (PSB), Ercílio de Souza (PSD) e do Onofre Santos Neto (DEM).
O vereador Onofre Neto ainda frisou que estão para serem liberados para a prefeitura mais aproximadamente R$ 15 milhões do IPTU da Petrobras depositados em Juízo e que pode ser difícil a administração conceder o total de reposição exigido, mas poderia ser feito algum tipo de reajuste de acordo com os recursos disponíveis.
A presidente do Sindserv, Audrei Guatura, afirma que os servidores estão cansados das desculpas do prefeito que atrela a reposição de salário à liberação do IPTU da Petrobras. “Mesmo com a liberação em Juízo de quase R$ 12 milhões da Estatal no início do ano a categoria teve 0% de aumento. Se ficarmos quietos vai continuar a ‘enrolação’”, afirma.
Nova mobilização
O ato dos servidores terminou com uma assembleia extraordinária na rua lateral da Câmara Municipal. A categoria deliberou por não recuar até que os direitos sejam concedidos e aprovaram a paralisação de um dia, que será realizada na próxima terça-feira (24), com concentração às 8h no Paço Municipal, depois com passeata pelas principais ruas da cidade e término na Câmara Municipal. Conforme informações do Sindserv, a Casa se comprometeu a convocar o prefeito para uma reunião com a diretoria do Sindicado no mesmo dia.

segunda-feira, 16 de maio de 2016

Não vamos pagar o pato e nem os ajustes fiscais!

O jornal Boca no Trombone, editado pelo Sindicato dos Quimicos de S. J. Campos e Região / SP, coloca os desafios e as tarefas que nós trabalhadores teremos no próximo período. Para ler o jornal na integra clique na foto ao lado.
Precisamos unificar as lutas dos trabalhadores e da juventude, que está ocupando as escolas, que ocupou a ALESP para defender o direito básico à educação pública. Construir uma Greve Geral contra os ajustes fiscais e o “Pato de Tróia” da patronal que esconde um brutal ataque aos direitos trabalhistas. A classe trabalhadora tem que tomar às ruas em protestos de luta contra os ajustes fiscais, contra a pauta reacionária da bancada BBB (boi, bala e bíblia), contra a redução de direitos trabalhistas, como quer a FIESP e a CNI, contra a reforma da Previdência tanto de Dilma quanto de Temer, por um plano econômico e social de garantias de direitos e recuperação do poder de compra das famílias dos trabalhadores!
Os trabalhadores químicos já votaram na Johnson o Fora Todos os Corruptos, tanto do governo quanto da oposição de direita que quer tomar o poder. São todos corruptos e ainda governam contra os trabalhadores!
Precisamos tomar as ruas, parar as fábricas, os canteiros de obra, as repartições públicas para exigir uma vida digna, saúde e educação públicas de qualidade, direito ao trabalho e salário com poder de compra e para isso temos que exigir:
· Prisão, confisco de bens e revogação dos mandatos de todos os corruptos e corruptores do governo, da oposição e de todos os poderes (executivo, legislativo, judiciário);
· Fim dos ajustes fiscais, redução de direitos e não às pautas da FIESP e CNI;
· Por um plano econômico que recomponha o poder de compra das famílias e garanta as conquistas sociais;
· Auditoria e fim do pagamento da fraudulenta dívida pública.

sábado, 14 de maio de 2016

GREVE DA EDUCAÇÃO EM BAIÃO PRESSIONA PREFEITO E VEREADORES. PCCR Unificado JÁ!

Os trabalhadores da educação no município de Baião no Pará enfrentam o descaso do prefeito Saci/PT com os direitos de alunos, professores e funcionários de escola, visto que o prefeito provocou uma greve da categoria que tem como objetivo assegurar direitos como a integralidade da Lei do Piso Salarial Nacional com a garantia da hora atividade, o  Plano de Carreira Unificado dos trabalhadores da educação, reforma nas escolas, merenda, transporte e a não redução de salários que o prefeito quer impor.
De acordo com o prof. Reginaldo Reis coordenador do Sintepp Baião e membro da Unidos Pra Lutar, a greve existe por irresponsabilidade do prefeito que cortou horas aulas dos alunos e professores, e que não garante o mínimo necessário ao funcionamento das escolas. A greve tem pressionado o governo que já teve seu secretário de educação questionado pela categoria e pela câmara municipal que votou seu afastamento. Também pressiona pela aprovação do Plano de Carreira da categoria que deverá ser votado na Câmara Municipal na próxima sexta-feira em virtude do projeto de lei que institui o Plano de Cargos, Carreiras e Remunerações -PCCR, fruto da mobilização dos trabalhadores em Baião e que foi remetido pelo governo municipal à câmara somente semana passada.

A Categoria está em greve há 63 dias e discutirá possibilidade de suspensão e retomada das atividades após a aprovação da Lei do PCCR da Educação. Até que isso ocorra "A greve continua, Saci a culpa é sua!"

segunda-feira, 2 de maio de 2016

Chapa 03 - Alternativa para o SINPRO/DF


Eleições Sindicato dos Professores do Distrito Federal.
Professora Juliana de Freitas e João Moreira, militantes da Unidos pra Lutar, convocam todos professores a votarem dia 18 e 19 de maio na Chapa 03 Alternativa.



Maria das Dores Soares - Presente! Presente! Presente!

Com imenso pesar recebemos a notícia do falecimento da ativista sindical da Unidos Pra Lutar, Maria das Dores Soares. Ex-dirigente da Regional Sudeste do Sintsep-Pa e fez parte da chapa 01- Unidos Pra Lutar, que disputou as eleições para o Triênio 2016-2019. Na sua regional a chapa da Unidos Pra Lutar foi vitoriosa. Maria das Dores foi uma lutadora incansável. Estará sempre presente! Das Dores – Presente! Presente! Presente!

terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

TODA SOLIDARIEDADE À OCUPAÇÃO DA ESCOLA TIRADENTES II

Na manhã dessa terça-feira (23.02), militantes da Juventude Unidos Pra Lutar e da Luta Socialista/PSOL do DCE UFPA, DCE UNAMA e Centro Acadêmico de Ciências Sociais da UNAMA estivemos prestando nossa solidariedade aos secundaristas da Escola Estadual Tiradentes II em Belém do Pará. A escola está sob a mira de Jatene (PSDB) que está fechando escolas, turmas e turnos em toda a educação paraense com um nefasto projeto de “reorganização” para desmontar a educação pública e enriquecer empresários em acordos como o “Mundiar” com a filial da Rede Globo.
Já no primeiro dia de ocupação a direção da escola e a Polícia Militar de Jatene criaram problemas para a entrada no prédio, com intimidação policial logo na porta da escola. Independente disso foi dado inicio a ocupação e agora os estudantes pedem por apoio para enfrentar o despejo e o fechamento da escola. Pais e estudantes deliberaram pela ocupação da escola por unanimidade em assembleia no dia 22.02, e com isso já se conquistou uma reunião com representantes do governo que apresentarão suas propostas nesse dia 24.02, às 15h na Escola José Veríssimo. Não podemos baixar a guarda, pelo contrário, é preciso fortalecer a ocupação e realizar ações de luta na rua.
Chamamos solidariedade à luta dos secundaristas por parte de todas as organizações estudantis, sindicais, populares e políticas para fortalecer a mobilização e dar um claro recado à população e ao governo reaça de Jatene: com unidade, organização e luta derrotaremos a reorganização! Como em São Paulo onde foi suspensa a reorganização proposta por Geraldo Alckmin com a mobilização. Nossa militância se coloca ombro a ombro com esses camaradas e buscará fortalecer as ações para garantir a vitória! Por isso propomos a urgente preparação de uma manifestação unificada de todos os lutadores em defesa dos estudantes do Tiradentes II, para garantir o conjunto das pautas dos estudantes e dos trabalhadores da escola.
Assista o vídeo que a Juventude Unidos Pra Lutar produziu em solidariedade a ocupação. https://www.facebook.com/JuventudeUnidospraLutar/videos/231121430560139/

domingo, 31 de janeiro de 2016

NOTA DOS METROVIÁRIOS DE SP da Luta Socialista e da Unidos Pra Lutar. Sobre a Eleição do Sindicato dos Servidores e Servidoras Federais do Estado do Pará



Lamentavelmente, no dia 28/02, o presidente do sindicato dos metroviários de SP, Altino, sem nos consultar, nem debater o assunto com os metroviários da LS/Unidos pra Lutar, soltou uma nota caluniosa e difamatória sobre o nosso pedido de apoio a chapa 1 do SINTSEP-PA.
Nesta nota fica claro que até o presente momento, o Altino não sabe quem forma a chapa 1 ou a chapa 2, pois no texto confunde as duas chapas diversas vezes, cabe salientar que o Altino fala dos fatos como se estivesse presente na reunião, sendo que ele mesmo reconhece que estava ausente.
No dia 18/01 apresentamos em reunião da executiva do sindicato dos metroviários o pedido de apoio à chapa 1 (formada por membros da Unidos pra Lutar), apoiada não só pela Luta socialista/Psol, como por vários agrupamentos políticos e sindicais, inclusive por agrupamentos pertencentes a CSP Conlutas. Os companheiros da Conlutas e do Pstu, presentes na reunião, solicitaram prazo de uma semana para se posicionarem sobre o apoio, após esse prazo na reunião da executiva do dia 26/01, os companheiros se somaram aos que já estavam apoiando e por unanimidade foi aprovado na diretoria do sindicato dos metroviários o apoio político e financeiro à chapa 1/Unidos pra Lutar Sintsep/PA. Altino: isso que fizemos é democracia operária, consultar, dar prazo, debater, votar. Voce fala da diretoria como se fosse gente incapaz e sem discernimento, eles foram consultados e aprovaram o apoio.
Democracia operária não é só quando Pstu ganha a votação. Atacar companheiros na internet não é democracia operária, nem práticas da esquerda séria, menos ainda quando se mente ou se altera os fatos da realidade.
Apoiamos esta chapa formada por trabalhadores classistas sem ligações governistas e por ter sido a ÚNICA chapa a pedir nosso apoio. A outra chapa, a Chapa 2 até o presente momento não pediu apoio nenhum. Cabe salientar que a chapa 2 é essencialmente integrada pela corrente CST, não é da Conlutas, se declara oposição ao sindicato e está composta por alguns militantes de outros partidos governistas, como PT, PPS e por outras pessoas ligadas ao PDT, à antiga direção da CUT e lamentavelmente por uma pessoa ligada ao PSTU.
Agora às vésperas das eleições, soltam uma nota caluniosa, onde afirmam terem sido enganados por nossos companheiros, isso sim é "pegadinha do malandro", diversas vezes nosso sindicato apoiou mais que uma chapa na mesma eleição, mas quando isso acontecia é porque tinha pedido oficial das chapas envolvidas, os companheiros do PSTU não se reuniram para discutir conjuntura sindical e agora querem nos culpar pela falta de organização de sua corrente política, não aceitaremos esse tipo de manobra dentro do Sindicato dos Metroviários de SP.
Não houve nenhuma enganação, o grupo do Altino aprovou o apoio a Chapa 1 depois de uma semana de consulta e pesquisa. Agora repensaram e pretendem retirar o apoio a uma chapa combativa e dar apoio a uma chapa que abre as portas para os governistas e a antiga burocracia da CUT que derrubamos em 2004, nesse caso o Pstu vai ter que explicar por que dá esse giro de 180º sem qualquer explicação. Nunca falamos que é uma chapa patronal, mas, diz-me com quem andas... Altino! Esse mal-estar que você criou é uma vergonha, agora vai ter que explicar o porquê de mentir e difamar companheiros de luta da nossa categoria e o motivo que te leva a apoiar a chapa 2 que tem apoio de governistas e pelegos.
METROVIÁRIOS de SP da LS/UNIDOS PRA LUTAR

sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

Solidariedade aos familiares dos trabalhadores mortos na Heineken! Contra as péssimas condições de trabalho na empresa!

Na manhã de ontem (28/01) por volta das 10h15 uma explosão na caldeira da Cervejaria Heineken em Jacareí, interior de São Paulo, matou dois trabalhadores e deixou mais três feridos, sendo uma das vitimas hospitalizada com 90% do corpo queimado, todos trabalhadores terceirizados. É sabido que as empresas terceirizadas são campeãs de denuncias por descumprimento de contratos de trabalho e pelos maiores índices de acidentes e precarização, empresas terceirizadas permanentemente burlam as relações de trabalho, inclusive muitas vezes são flagradas submetendo trabalhadores a situação semelhante à de escravos. Sem dúvida uma tragédia que tem culpado, chama-se Heineken.
Enquanto o setor de cervejarias lucra bilhões por ano e a Heineken, por exemplo, só nos três primeiros meses do ano passado lucrou cerca de 620 milhões de dólares, os trabalhadores seguem sofrendo com os baixos salários e as péssimas condições de trabalho, que põe em risco e matam trabalhadores, como ocorreu em Jacareí.  Por outro lado o governo Dilma e o congresso nacional, além do pesado ajuste fiscal que estão jogando nas costas dos trabalhadores com os sucessivos aumentos da tarifa do transporte, de água e luz e dos alimentos, querem aprovar a lei 4330 que permite a terceirização de todos os setores de uma empresa, legitimando essa prática nefasta para a classe trabalhadora.

Não foi acidente foi mais um crime! Nós da Unidos pra Lutar e da Luta Socialista/PSOL repudiamos as péssimas condições de trabalhado impostas por essa multinacional e nos solidarizamos com as Famílias das vitimas e todos os trabalhadores da cervejaria que já estão cansados de arriscarem suas vidas para manterem o lucro dos patrões. Somente a luta unificada da classe trabalhadora pode modificar essa realidade e garantir melhores condições de trabalho!  De Luto seguimos nossa Luta!