sexta-feira, 17 de junho de 2016

Unidos Pra Lutar realiza plenária estadual em São Paulo

quarta-feira, 18 de maio de 2016

Servidores de São Sebastião fazem manifestação por reposição salarial

Cerca de 200 trabalhadores participaram do ato e decidiram em assembleia paralisação de um dia na próxima terça-feira (24)
Os servidores públicos municipais de São Sebastião realizaram uma manifestação nesta terça-feira (17) para reivindicar reposição salarial da categoria e melhores condições de trabalho. O ato teve início às 16h com a ocupação do pátio interno do Paço Municipal para exigir do prefeito Ernane Primazzi (PSC) os direitos constitucionais. Sem resposta, cerca de 200 trabalhadores seguiram em passeata pelas principais ruas do Centro da cidade até a Câmara Municipal, onde cobraram um posicionamento efetivo dos vereadores.
Segundo o Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de São Sebastião (Sindserv), a administração municipal acumula débitos com a categoria desde 2014, somando 22,71% de perda salarial nos últimos três anos. Dentro da campanha salarial 2015/2016, os trabalhadores cobram repasse da inflação do ano passado mais as correções (11,52%) e reposição de 11,19% referente ao ano de 2016. Também foi aprovado o reajuste do vale alimentação de R$ 240 para R$ 300, bem como o vale refeição de R$ 16 (por dia) para R$ 25 (por dia).
Durante a mobilização dos servidores na sessão da Câmara, foi apresentado o requerimento 204/2016 do vereador Professor Gleivison Gaspar (PMDB) em apoio à categoria: “Diante das negativas sistemáticas, requer ao executivo a reavaliação do orçamento municipal visando à efetivação do reajuste aos servidores públicos”.
O requerimento foi aprovado por unanimidade e ainda contou com posicionamento favorável do presidente da Casa, Luiz Antônio de Santana Barroso “Coringa” (PSD), e dos demais vereadores Reinaldo Alves Moreira Filho “Reinaldinho” (PSDB), Jair Pires (PRP), Edivaldo Pereira Campos “Teimoso” (PSB), Ercílio de Souza (PSD) e do Onofre Santos Neto (DEM).
O vereador Onofre Neto ainda frisou que estão para serem liberados para a prefeitura mais aproximadamente R$ 15 milhões do IPTU da Petrobras depositados em Juízo e que pode ser difícil a administração conceder o total de reposição exigido, mas poderia ser feito algum tipo de reajuste de acordo com os recursos disponíveis.
A presidente do Sindserv, Audrei Guatura, afirma que os servidores estão cansados das desculpas do prefeito que atrela a reposição de salário à liberação do IPTU da Petrobras. “Mesmo com a liberação em Juízo de quase R$ 12 milhões da Estatal no início do ano a categoria teve 0% de aumento. Se ficarmos quietos vai continuar a ‘enrolação’”, afirma.
Nova mobilização
O ato dos servidores terminou com uma assembleia extraordinária na rua lateral da Câmara Municipal. A categoria deliberou por não recuar até que os direitos sejam concedidos e aprovaram a paralisação de um dia, que será realizada na próxima terça-feira (24), com concentração às 8h no Paço Municipal, depois com passeata pelas principais ruas da cidade e término na Câmara Municipal. Conforme informações do Sindserv, a Casa se comprometeu a convocar o prefeito para uma reunião com a diretoria do Sindicado no mesmo dia.

segunda-feira, 16 de maio de 2016

Não vamos pagar o pato e nem os ajustes fiscais!

O jornal Boca no Trombone, editado pelo Sindicato dos Quimicos de S. J. Campos e Região / SP, coloca os desafios e as tarefas que nós trabalhadores teremos no próximo período. Para ler o jornal na integra clique na foto ao lado.
Precisamos unificar as lutas dos trabalhadores e da juventude, que está ocupando as escolas, que ocupou a ALESP para defender o direito básico à educação pública. Construir uma Greve Geral contra os ajustes fiscais e o “Pato de Tróia” da patronal que esconde um brutal ataque aos direitos trabalhistas. A classe trabalhadora tem que tomar às ruas em protestos de luta contra os ajustes fiscais, contra a pauta reacionária da bancada BBB (boi, bala e bíblia), contra a redução de direitos trabalhistas, como quer a FIESP e a CNI, contra a reforma da Previdência tanto de Dilma quanto de Temer, por um plano econômico e social de garantias de direitos e recuperação do poder de compra das famílias dos trabalhadores!
Os trabalhadores químicos já votaram na Johnson o Fora Todos os Corruptos, tanto do governo quanto da oposição de direita que quer tomar o poder. São todos corruptos e ainda governam contra os trabalhadores!
Precisamos tomar as ruas, parar as fábricas, os canteiros de obra, as repartições públicas para exigir uma vida digna, saúde e educação públicas de qualidade, direito ao trabalho e salário com poder de compra e para isso temos que exigir:
· Prisão, confisco de bens e revogação dos mandatos de todos os corruptos e corruptores do governo, da oposição e de todos os poderes (executivo, legislativo, judiciário);
· Fim dos ajustes fiscais, redução de direitos e não às pautas da FIESP e CNI;
· Por um plano econômico que recomponha o poder de compra das famílias e garanta as conquistas sociais;
· Auditoria e fim do pagamento da fraudulenta dívida pública.